sexta-feira, janeiro 20, 2006

VIDA LONGA E PRÓSPERA - 40 ANOS DE JORNADA NAS ESTRELAS: A Série Original

Eu sou um trekker. Antes que alguém pergunte “Mas que treco é esse?”, explico: sou fã da série Jornada nas Estrelas (Star Trek), bem como de todas as suas derivações televisivas e cinematográficas. Não chego a andar por aí vestindo trajes espaciais ou usando orelhas pontudas. Contudo, assisto, gravo, compro, vejo e revejo todos os episódios e filmes relacionados a Jornada que estejam disponíveis neste quadrante da galáxia. Tal paixão começou na adolescência. Coincidência ou não, justamente aquela fase da vida em que despertamos para o amor. Embora eu já tivesse uma queda pela ficção-científica (em especial, as fitas escapistas, tipo Guerra nas Estrelas) e conhecesse alguns filmes de Jornada nas Estrelas (gostava muito do IV), foi somente com um certo grau de maturidade que comecei a entender e a apreciar o universo trek.

Quando comecei a me apaixonar por Jornada, a série já tinha pelo menos duas décadas de existência. Sua gênesis remonta aos conturbados anos 60 e se deve a Gene Roddenberry (1921-1991), roteirista/produtor de seriados televisivos. Inspirado nas aventuras sci-fi que tanto o entretinham em sua infância (e, sem assumir, no longa O Planeta Proibido), Gene criou a sua própria saga espacial e decidiu vendê-la para as redes de TV norte-americanas. Após ouvir muitas recusas, o “Grande Pássaro da Galáxia” (como é conhecido pelos fãs) recebeu o aval (e a grana) da NBC para produzir um episódio-piloto. O material pronto foi rejeitado pelos executivos da emissora, que o consideraram cerebral demais para o público dos EUA. Contudo, deram uma nova chance a Gene (coisa rara na TV). Um segundo piloto, foi feito. Ainda “cerebral”, mas com mais ação, o episódio foi aprovado e, a partir daí, a série pôde ser produzida.

Jornada nas Estrelas estreou em 8 de setembro de 1966 e contava as aventuras da tripulação da nave estelar U.S.S. Enterprise, em sua missão de cinco anos (na realidade, seriam só três) para explorar novos mundos e novas civilizações, audaciosamente indo onde nenhum homem jamais esteve. O programa era protagonizado pelo intrépido capitão Kirk (William Shatner, rei dos canastrões), pelo meio-alienígena racional Spock (Leonard Nimoy) e pelo emocional Dr. McCoy (DeForest Kelley). Os demais personagens regulares do seriado eram o escocês Scott (James Doohan); a africana Uhura (Nichelle Nichols); o nissei Sulu (George Takei) e o russo Checov (Walter Koenig). Tal representação multiétnica dos tripulantes da espaçonave passava a idéia utópica de que no futuro não existirão mais diferenças entre as nações. Sem dúvida, uma ousadia em tempos de Guerra Fria.

De fato, Jornada era uma série bastante atrevida para a sua época. Por trás de um enredo de ficção-científica futurista, ocultavam-se críticas à sociedade norte-americana de então. Temas como o movimento pelos direitos civis dos negros e a Guerra do Vietnã foram abordados em episódios de Jornada, como se fossem eventos de mundos distantes. Contudo, poucos eram os que percebiam tal proposta do seriado. A maior parte dos espectadores norte-americanos não entendia e nem queria entender um programa de TV que exigia um certo esforço de seus neurônios. Assim, Jornada vivia sob constante risco de cancelamento. Ganhou uma 2ª temporada graças ao apoio de mestres do sci-fi que simpatizavam com a série, dentre os quais, Isaac Asimov. Ganhou uma 3ª graças a uma campanha movida por fãs. Com roteiros mais fracos e audiência cada vez mais baixa, aconteceu o inevitável: em 1969, a produção de Jornada nas Estrelas foi interrompida. Mas ainda não era o fim. Muito pelo contrário.

As reprises televisivas dos episódios e a exibição destes em convenções, que começaram a ser realizadas mundo afora, ampliaram a popularidade de Jornada nas Estrelas. A demanda por novas histórias levou, com o tempo, à criação de uma versão animada, 10 longas para o cinema e seriados derivados: A Nova Geração (1987-1994), Deep Space Nine (1993-1999), Voyager (1995-2001) e Enterprise (2001-2005). Jornada virou cult. Virou franquia milionária. Tamanho sucesso pode ter várias explicações, mas creio que a maior delas é a perspectiva otimista com relação ao futuro. Os terráqueos dos próximos séculos abolirão a guerra, a miséria e a fome. Uma vez arrumada a casa, a humanidade poderá se dar ao luxo de viajar pelas estrelas. Se os comunicadores viraram realidade (seriam nossos celulares), por que não acreditar que outras profecias da série também possam se concretizar?

14 Comments:

  • Jornada nas Estrelas é aquela série que é excelente, mas que com o tempo perdeu a qualidade não por culpa de seus fãs, os trekkers, mas sim por culpa da fórmula que os roteiristas andaram apregoando nos filmes e na série recente, e que acabou cansando a maioria do público. Sou fã dos filmes, do seriado, que acompanhei através das fitas que meu pai tem ainda hoje. Acabei gostando. Mas, se não houver um resgate da sua formula original, a série pode ser perder e ficar apenas na memória. Esperamos que isso não chegue a acontecer! Um abraço e até!

    By Blogger Luiz Henrique Oliveira, at 11:49 PM  

  • Oi, não li o post... só passei pra deixar um beijo "manezinho"... mas estou "pagando" pra usar net, tenho q ser rápida.Bom fim de férias! Beijos.

    By Blogger Lena Gomes, at 12:24 AM  

  • Meu caro personal teacher,
    Mais uma coincidência de gostos. Também adoro Star Trek. Tanto a série clássica quanto a Nova Geração e o último título da franquia, o Enterprise. Embora o sucesso e a característica de seriedade de Star Trek tenha levado ao cancelamento de uma de minhas antigas ternuras, a série Perdidos no Espaço, posso dizer que sou um trekkie. Claro, sem usar as orelhinhas do Spock nem vestir o uniforme da Federação...Deixo esse "mico" king kôico para os mais fanatizados.
    Vi e revi a série no cinema. Gostei de todos, indiscriminadamente. Tenho alguns episódios gravados. Incluindo aquele em que eles descobre o deus Apolo, este um de meus favoritos. Estou esperando baixar o preço das caixas com as temporadas completas. Está quase duzentas pratas por caixa. Se eu pagar este preço posso ter uma vida longa, mas não será próspera...

    By Blogger Marco Santos, at 4:40 PM  

  • Xará: boa tarde!

    Já passei longas jornadas noite a dentro revisitando "Jornada...": um quasar cinematográfico.

    *****

    Nota: meu amigo,não me leve a mal,por obséquio,mas Você não diminui o tamanho das imagens postadas aqui. No meu micro,a tua página demora um tanto quanto para abrir.

    Fiz um teste a guisa de exemplo: o logotipo "Cinelândia" fincado aqui tem 83,2KB. Indo-se ao mais simples programa como o Paint,porém,e salvando-o com outro nome ficar-se-á em 17,5KB.

    E todas as outras "pictures" são do mesmo quilate: pesadinhas.

    O que não pesa,entretanto,são teus textos "de peso".

    Imelhoráveis.

    Abraço sabatino.

    By Anonymous Paulinho Patriota, at 5:47 PM  

  • Luiz, suas observações a respeito do atual declínio da marca Jornada nas Estrelas me parecem corretíssimas. Agindo como se fossem os mais sórdidos ferenguis, os atuais donos de Jornada tentaram espremer ao máximo a capacidade de lucrar da série. Acabaram desgastando a imagem de Jornada. Inclusive, entre os fãs. Por mais que eu queira assistir novas produções deste universo de fantasia que me é tão querido, prefiro até que fique somente na memória do que ver mais do mesmo ou me irritar com descaracterizações.

    Helena, quando retornar de suas merecidas férias no Sul, gostaria que me explicasse o que é um “beijo ‘manezinho’”. Ou o “manezinho” serei eu por não estar aí com vocês?

    Marco, não tenho muitas lembranças de Perdidos no Espaço. Exceto pela impagável dupla Dr. Smith e Robô. Agora, se Jornada é culpada pelo cancelamento de Perdidos no Espaço eu não sei, mas que esta série deve muito a Gene Roddenberry não tenho dúvidas. É que, enquanto tentava vender Jornada para as redes de TV dos EUA, Gene teve muitos de seus conceitos roubados pelos executivos da CBS. Os caras queriam saber como produzir uma série espacial sem gastar muito. Gene passou a fórmula, a rede dispensou o seu projeto e desenvolveu um próprio. Adivinha qual? Quanto aos DVDs, não me contive como você. Ouvi o canto da sereia borg: “Resistir é inútil”!

    Xará, tu és um trekker arrrrrrrrrrretado, hein?! Olha, sem problemas quanto às críticas. Ainda mais quando elas são construtivas. Ainda não havia me dado conta do tamanhão das imagens. Verei o que posso fazer para tornar o Cinelândi@ um ambiente ainda mais convidativo para os nossos freqüentadores. Obrigado pelo toque e pela dica!

    No mais, não imaginava encontrar tantos trekkers na blogsfera. Diante desta feliz constatação e aproveitando a deixa do Marco, lanço uma pergunta para cada um de vocês: qual é o seu episódio favorito da série clássica de Jornada nas Estrelas?

    A todos, vida longa e próspera!

    By Blogger Paulo Assumpção, at 11:47 AM  

  • Não gostaria de citar um favorito,pois todos,especialmente os dos primórdios,me deixaram lascas memoriais em minhas retinas afetivas: ah,os "old fashioned" roddenberryanos!...

    Em tempo: não sou um expert como ti,xará; apenas um treco menor do "trekker" que tu és...

    Uma boa segunda-feira.

    By Anonymous Paulinho Patriota, at 2:30 AM  

  • Agorta é q passei a gostar mais de Star Treck... Vendo os DVDs. Muito oportuno o post!
    abs

    By Blogger Miguel Andrade, at 5:35 PM  

  • Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    By Blogger Miguel Andrade, at 5:36 PM  

  • Invejo pessoas mais anciãs como você, Paulo, que puderam desfrutar das melhores e hoje mais cultuadas séries televisivas de todos os tempos. Jamais pude penetrar no universo de STAR TREK, pois não foi um fenômeno da minha geração. Lembro-me de que ainda passava o programa, quando eu era bem jovem, mas nunca prestei a devida atenção nele. Esse post já serviu para me informar das qualidades desse universo tão querido que é o de JORNADA.

    Cumps.

    By Blogger Gustavo H.R., at 11:30 PM  

  • Xará, realmente entre os primeiros episódios de Jornada estão os mais memoráveis da série. O que prova que não és exatamente um “trekker menor”. Uma boa semana toda pra você!

    Miguel, seja duplamente bem-vindo: ao universo fantástico de Jornada nas Estrelas e ao Cinelândi@. Apareça sempre!

    Gustavo, “pessoas mais anciãs como você” foi demais, hein?! Com essa, vão insinuar que o meu episódio favorito de Jornada é “Réquiem para Matusalém”. :-D

    Abraços para todos!

    By Blogger Paulo Assumpção, at 12:29 AM  

  • nossa, 40 anos? Eita tempo. Ainda passa no canal 21. abraçao pra ti.

    By Anonymous Anônimo, at 10:35 PM  

  • o comentario do anonimo foi meu...

    By Anonymous carla, at 10:38 PM  

  • Ok, Carla. Na Net Rio não tem Canal 21, mas, felizmente, posso matar as saudades das Jornadas quarentonas assistindo aos episódios em DVD. Um grande abraço!

    By Blogger Paulo Assumpção, at 12:27 AM  

  • Caro personal teacher: vou me antecipar antes que a doce Helena chegue. "Manezinho" é o apelido do nativo da ilha de Florianópolis. Um jeito carinhoso de chamar quem nasceu e mora lá. Sempre que eu lembro das condições em que o nome daquela capital foi trocado de Nossa Senhora do Desterro para Florianóplis, chego até a rir...
    Mas voltando ao que interessa: Embora você seja um ancião, não curtiu Perdidos no Espaço, né? Originalmente, era para ser uma séria série. ma aí o Jonathan Harris começou a fazer aquelas gracinhas que fizeram um baita sucesso. Aí virou comédia. Mas é bom assim mesmo. Quando estreou Star Trek, os telespectadores deixaram de lado aqueles monstros hilários do Lost in Space a passaram a prestigiar a novidade bem mais séria.
    Pois é. Quando eu tinha DirecTV, eu via o canal 21. Agora que eu tenho SKY, dancei.
    Eu não tive coragem de dar quase duzentas pratas na caixa do Jornada... Quando ficar mais barato eu compro.
    É meio difícil de citar um episódio favorito. São muitos. Mas o do Apolo ficou marcado por eu ser apaixonado por mitologia greco-romana. aliás, em breve vou começar a postar algumas histórias sobre os mitos de Grécia e Roma no Antigas Ternuras.
    Um abração!

    By Blogger Marco Santos, at 8:46 PM  

Postar um comentário

<< Home

Em cartaz

Astros & Estrelas

Cinemateca

Box-office

Premiações

  • Vencedor do OmniCam 2005, na categoria Melhor Blog de Cinema
  • Indicado ao OmniCam 2005, na categoria Melhor Blog
  • Indicado ao OmniCam 2005, na categoria Melhor Editor de Blog - Cinema

CineLinks

Outros links

Powered by Blogger